Carlos Gil tem 52 anos e é agente imobiliário, ao mesmo tempo pratica uma actividade um pouco invulgar nos dias de hoje: pagador de promessas. Um negócio comum na Idade Média – Carlos Gil paga promessas de outros a troco de dinheiro. Mas como funciona?

O que é um Pagador de Promessas ?

É uma figura tradicional e muito querida na Idade Média a quem recorriam as famílias mais abastadas para que, em nome delas percorresse, os Caminhos Sagrados e, também em seu nome, fizesse um pedido ou agradecimento. Como Peregrino e Pagador de Promessas, retomo a Tradição.

Sofre muito cada vez que faz o Caminho ?

Faço um sacrifício (sacro-ofício ou trabalho sagrado) religioso (no sentido de religar o terreno ao divino) nada tem a ver com sofrimento. Sacrifício e sofrimento são coisas diferentes. O meu Caminho é de meditação e recolhimento, de agradecimento e veneração, não de sofrimento.

Porquê pagar uma promessa ?

São questões de fé. Cada um tem as suas razões. É o sentimento de estar em falta com o divino. Quando, muitas vezes em desespero, se faz uma promessa e recebemos ajuda para a resolução dos nossos problemas, sentimos necessidade de saldar contas… reconhecer, acima de tudo é mostrar reconhecimento. É acima de tudo o estarmos gratos pela ajuda que veio, pela resposta às nossas preces…

Quem prometeu, ao dar dinheiro, não está a fazer nenhum sacrifício…

A pessoa que se acha impedida de cumprir a promessa e se sente em falta, ao pagar está a dispender do seu dinheiro. Para o ganhar dispendeu do seu tempo, trabalhou e prescinde da comodidade que esse valor lhe podia dar. Está a dispender do fruto do seu trabalho, pagando o meu tempo… É o seu sacrifício!

O pagador de promessas é só para Portugal ?

Este site foi criado para que um devoto de Nossa Senhora de Fátima possa solicitar um agradecimento ou que se cumpra uma promessa em falta. Assim, um devoto que esteja no Brasil, Angola, Moçambique, Timor ou noutro ponto do globo pode entrar em contacto comigo.

Tem forma de comprovar o cumprimento do Caminho ?

Tenho um documento, a que chamo CERTIFICADO. É um diploma que, em nome da pessoa que me contactou, vou carimbando em Juntas de Freguesia, Igrejas (na falta destas entidades em cafés e restaurantes) ao longo do Caminho, certificando a minha passagem em determinada data pelos vários locais. O último carimbo é de Fátima. Não comprova nada. Vale o que vale… É, essencialmente, uma recordação.

Como pode fazer o pagamento ?

Através do cartão de crédito. O pagamento é efectuado pela BMT Micro, Inc. de uma forma segura e prática. Por depósito ou transferência bancária. (ver Menu – Contactos)

Vai todos os meses a Fátima ?

Sempre que me faça sentido, ou alguém me solicite que vá.

Que caminho percorre ?

O caminho a percorrer é Lisboa / Fátima mas, como vivo em Cascais e como o peregrino sai de casa, faço de Cascais / Fátima a pé. O CNC (Centro Nacional de Cultura) marcou um caminho fora das estradas (o caminho do Tejo) e está de parabéns, porque é um caminho bonito, agradável e está bem sinalizado. Neste caminho o peregrino tem longos percursos pelo campo, percursos esses ideais para reflexão. Atravessa pequenos povoados habituados a bem receber os peregrinos.

O que leva quando caminha?

Levo só o que necessito nas próximas 2h. Ou seja, a roupa do corpo (leve e arejada) uma pequena garrafa de água e o mais importante, um bordão (o bordão ajuda-nos a caminhar e é um símbolo paterno). O peso extra é só para o saco de cama, uma capa para a chuva e um par de meias e cuecas.

Só paga promessas ?

Não. Acontece com muita frequência ser contactado por pessoas que não tendo feito promessas, se acham na obrigação de agradecer a forma como a sua vida corre. São formas de agradecimento puro e simples. Talvez reconhecimento… apenas reconhecimento!